Novidades

24 novembro 2011
xxx Editora Novo Século xxx

O Príncipe Gato e a Ampulheta
Bento de Luca
Através de um Buraco de Minhoca – túnel dimensional que interliga dois mundos – localizado no Parque do Trianom, São Paulo, surge um viajante flino movido por uma única e importantíssima missão: a busca por uma lendária ampulheta. Escondida em algum local inóspito da cidade, a relíquia é a única capaz de salvar Marshmallow, terra do Príncipe Gato, que está a beira da destruição. No entanto, parece que ele não foi o único a atravessar o portal. Seres malignos irrompera, das barreiras e logo declararam uma caçada voraz, com objetivos mais sombrios... Além de seus perseguidores, o Gato luta contra seu maior inimigo: O Tempo. É preciso encontrar este objeto antes que seja tarde e seu mundo esteja para sempre perdido. Contudo, ele não estará sozinho nesta empreitada e poderá contar com a ajuda de seus fiéis companheiros.


Cerberus – Entre Cobras e Ursos
Leonardo Monte
O terror está instituído pela fome, pela doença e pela miséria humana... A esperança como uma vela de pavio curto... morrendo... aos poucos. Canibais, Calabans, Mordecais, Pashits, Ankh-o-rus, Beliahs, Banshees, licantropos e toda sorte de criaturas que antes só existiam em nossos mais terríveis pesadelos vagam pela Terra indiscriminadamente... destruindo, aterrorizando... e, às vezes, até convivendo conosco em uma relação de total dominância... Cidades viraram ruínas... As pessoas voltaram a viver em vilarejos e feudos, sem um poder central, servindo a governantes tiranos e sanguinários que as exploram cada vez mais e mais... O medievo voltou... A era das trevas flagela novamente a Terra... A humanidade está a ponto da extinção... Em um ato de desespero, o Vaticano decidiu criar em diversos lugares do mundo as Academias de Caçadores... No Brasil criou-se a Cerberus... Nesse sombrio lugar, dominado pela fé cega e padres ortodoxos, corredores escuros e úmidos, luz de velas e treinos sangrentos, calabouços e forcas, encontraremos alguns de nossos personagens: crianças doadas em suas primeiras semanas de vida para transformarem-se em caçadores de explanares... Passarão oito anos de duras provações até sangrarem-se dignos... ou perecerão no caminho? Os fracos não servem a Cerberus... Você está preparado?
Cinco Luas
Ronaldo Cavalcante
O terror e desespero se espalham quando uma onda de abortos em todo o mundo acontece sem precedentes. Durante seis meses nenhuma criança nasce viva em todo o planeta. Descobre-se então que uma espécie de doença está afetando todo o globo tornando todas as mulheres estéreis. Esse fato é apenas o estopim do que os povos que se autointitulam soberanos chamam de Extinção. Uma peste destruidora e aparentemente sem cura que ataca de maneira misteriosa determinando se os povos merecem permanecer entre os melhores ou devem perecer e ceder suas terras e recursos aos soberanos intocados pela terrível doença. A terra começa a ser invadida por seres maravilhosos e hostis, viajantes de lugares distantes em bases colossais, seres imunes a Extinção. Povos escolhidos pela criação para permanecer e conquistar. É uma questão de tempo até todos no planeta morrerem sem sucessores ou serem simplesmente assassinados se assim decidirem os soberanos.

Reencontro
Leila Kruger
“Está bem no fundo. Não se pode alcançar... aos poucos, vai roubando o ar.” Ana Luiza vai perdendo seu fôlego: o fim de (mais) um grande amor, um pai distante, uma mãe fútil, uma amizade complexa e “pessoas que sempre vão embora”. Com suas músicas de rock, seus livros e seus cigarros, Ana Luiza vê sua vida desmoronar.
“O amor é uma ferida”, ela sentencia. Procurando sobreviver e encontrar seu rumo, a “garota de olhar longínquo” tem um encontro inesperado com um alguém aparentemente muito diferente dela: os “olhos imensos”, que tudo vêem...
Presa em seu próprio mundo e rendida ao álcool e às drogas, Ana Luiza tenta fugir de tudo. Principalmente do temido amor, que tanto a feriu... Ao mesmo tempo a garota procura entender as mudanças inesperadas e os “sonhos que nunca vão acontecer”...
Como encontrar, ou reencontrar o próprio destino? Até onde o amor pode ir, até quando pode esperar? O que há além das baladas de rock e dos poemas românticos? Poderá o amor salvar alguém de sua própria escuridão? Às vezes, é necessário perder quase tudo para reencontrar... e finalmente poder amar.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar e volte sempre !