Contos: Intrigas do Coração

09 janeiro 2012
Gente não queria deixar essa segunda linda e maravilhosa passar em branco. Acontece que hoje apesar de não ter sido assim tão pesado no meu primeiro dia de estagiária, estou me sentindo um pouquinho cansada, talvez tenha sido a chuva que peguei por três dias seguidos. Mas enfim, hoje vim postar mais um conto meu, este foi o último que fiz, acredito que na sexta passada quando estava esperando o horário para uma reunião. Vou logo avisando que este não passou pelo aval de ninguém, repito, NINGUÉM. Fiquei até meio assim se postava ou não, mas acho que aqui terá as pessoas certas para me dizer o que acharam certo?! Deixem o comentário belezinha, beijos e boa leitura.
-----------------------------
Assim que ele acenou com um sorriso forçado no rosto, pude entender.
Aquilo significava um adeus ou um sinal de liberdade.
Por mais que eu devesse ficar triste por Gabriel está indo embora da minha vida, não estava. Ele fora um bom amigo e um ótimo namorado, mas desde o começo ele sabia que nós dois não daríamos certo.
Primeiro porque tínhamos acabado de sair de uma relação e estávamos procurando algum tipo de refugio. O problema foi que ele realmente se apaixonou por mim, e por mais que gostasse dele não queria perder a nossa amizade tão antiga.
E depois de oito anos de segredos, brincadeiras e confiança joguei tudo pelo ralo. E soube que a partir do dia em que disse sim, nós nunca mais seriamos os mesmos.
            - Bia, nos conhecemos tão bem. Quem seria melhor companhia um para o outro?
Como dizer a verdade sem magoar ou mentir e magoar mais tarde? Naquele momento tudo que queria era dizer que não queria deixar nossa amizade de lado, que nós éramos apenas isso, amigos. Mas me peguei dizendo...
            - Sim Gabriel é verdade.
Dois meses de namoro forma suficientes para ambos. Já não agüentava agir como uma atriz, apesar de saber que desempenhava o papel muitíssimo bem.
Ele sabia que sempre amei Felipe e que esse amor por mais que me machucasse pelo termino, ainda era alimentado.
            - Não precisa mais fingir que gosta de mim – ele disse qando nos encontramos no banco da quadra.
            - Mas eu não finjo, eu gosto de você...
            - Você não me ama. – ele me interrompeu – Ama o Felipe, é nele que pensa quando está comigo, é com ele que sonha. É dele que você escreve nesse diário – ele me deu meu diário que não sei como tinha parado em suas mãos.
            - Nunca disse que te amava Gabriel. Não queria te magoar.
            - Caramba Bia... – ele hesitou – achei que podia confiar em você. Sempre esperei que você contasse tudo pra mim como conto pra você.
            - Desculpa – foi a única palavra que consegui pronunciar.
Uma hora e eu ainda estava no mesmo lugar como uma jaca estragada. Disse que não estava triste, mas essa situação não era motivo de orgulho. E a expressão no meu rosto demonstrava um arrependimento incomum.
De repente uma luz se acedeu dentro de mim, uma chama mais forte que qualquer tristeza ou até alegria. E apenas uma pessoa era capaz de me causar essa sensação.
Felipe.
Já fomos um trio. Digo eu, Gabriel e o Felipe. Mas isso mudou quando namorei com o Felipe e quando terminamos ele e o Gabriel passaram a se falar muito mais.
            - O que você tem na cabeça? – perguntou ele enfurecido.
            - Hã? Está falando comigo? Por que eu me lembre não temos nada para conversar – na verdade eu tinha. Tinha que dizer que ainda o amava.
            - Estou falando do Gabriel, por que você mentiu para ele?
            - Não menti, apenas omiti. Não queria magoá-lo.
Felipe sentou-se ao meu lado.
            - Não queria. – ele ficou pensativo – Acho que acabou fazendo isso.
E lá estava Felipe irônico e preocupado ao mesmo tempo. Nunca entendi suas mudanças de humor.
Ele ficou me olhando de um jeito que nunca me olhou. Era como se estivesse procurando alguma coisa em mim. Naquele momento me arrependi de não ter arrumado o cabelo como sempre arrumo – resultado: cachos indisciplinados em um coque folgado – e principalmente me arrependi de estar usando rosa. Essa cor só me deixava irritada e ansiosa.
Me levantei imaginando que não teria mais troca de palavras, já estava disposta ir para casa me jogar na cama e escrever essa situação vergonhoso no meu diário, depois guardá-lo a sete chaves. Ele abaixou a cabeça e segurou as mãos apoiadas nos cotovelos.
            - É verdade? – ele perguntou num sussurro.
            - O que é verdade?
            - O que você escreveu no seu diário?
            - Como você leu meu diário? – ler o diário de alguém é como ver essa pessoa nua, é algo muito intimo.
            - O Gabriel me mandou digitalizado pelo email.
E depois ainda quer que eu fique com pena do Gabriel. Tudo eu contava para eles, até nos separarmos então tive que comprar um diário para poder desabafar.
            - Bom – pensei em jogar na cara dele que era culpa dele, mas optei pelo simples – Sim é verdade. Mas de que importa isso agora?
Ele levantou a cabeça surpreso =, talvez por ter sido tão rude ou talvez por ter gritado e todos estarem me olhando. Depois que o pessoal viu que não era nada voltaram para o que estavam fazendo ele se levantou.
            - De quê importa? Importa o fato de você nunca ter me dito a verdade, o fato de você ter sempre brincado quando tocava nesse assunto. Mas o mais importante... – ele deu uma pausa para se certificar de que eu estava ouvindo – O que importa é que te amo e depois que li o seu diário não tive dúvidas quanto ao que você sente.
Ele pegou minhas mãos, entrelaçou nas dele e finalmente me deu um beijo doce e calmo, como se tivéssemos toda a eternidade pela frente.

10 comentários:

  1. Aiii, adoro esses contos românticos cheios de love *.*

    Adoro mesmo, vc escreve muito bem querida, continue assim !!!

    E sempre que postar seus contos me chame que quero ler todos,muitos beijos e sorte no seu estágio.
    Beijos
    Vivi
    Razão e Resenhas

    http://vivianeblood.blogspot.com/2012/01/novidade-da-universo-dos-livros_09.html#comment-form

    ResponderExcluir
  2. Cheios de love, hihii
    Obrigada querida por deixar sua opinião e pelo carinho.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Ai Raquel,eu quero mais você escreve muito bem.
    Vai ter BIS,me chama que venho correndo ler e deixar meu comentário.
    Parabéns,querida continue escrevendo Mais e Mais.
    Adoro um Romance,abraços
    Alexandra
    http://magiasbook.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Raquel, como sempre arrasou! :)
    adorei o conto, você é muito talentosa!

    Seus contos são simplismente perfeito...
    Sucesso para você! beijinhos.

    Viajando na imaginação

    ResponderExcluir
  5. Obrigada moças, é muito importante saber a opinião de vocês. É isso que me motiva a continuar escrevendo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi,Raquel!
    Adorei o conto!
    Singelo,expressivo e muito bem escrito.
    Parabéns!
    Zilda Mara
    Cachola Literária

    ResponderExcluir
  7. Você conhece o assunto, isso é fato! Entende perfeitamente o que é uma cena e como deve desenvolvê-la. Continue assim e você vai longe.
    Beijo e parabéns!
    :)
    Maurício Gomyde.

    ResponderExcluir
  8. Ai que lindo!
    Amei! Muito fofo!
    Adorei o conto, adorei a declaração e principalmente adorei o beijo no final. Uhuul!
    Um beijo ;*

    Juliana . Oliveira
    http://linhasdeencanto.blogspot.com/
    @Julymg2

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito desse conto!!! Olha, vc tem muito talento... Já está na hora de lançar um livro pela Internet!!! Continui assim, vc está no caminho certo!!! Te desejo muito sucesso!!!

    UMA VIAGEM AO FUTURO
    http://umaviagemaofuturo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Muito orbigado pessoal pela opinião, obrigado Junior pelo apoio lançar um livro é um dos meus sonhos, mas acredito que ainda não é hora.
    Zilda e Juliana , que bom que gostaram.
    Mauricio espero que sim.
    Beijo

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !