Amazônia - Um caminho para o sonho

31 maio 2013
Amazônia – Um Caminho Para o Sonho, por M.C. Jachnkee
273 páginas (Parceria)
Em "Amazônia - um caminho para o sonho", os personagens são de Ascurra e em busca de uma mudança na vida, partem para a maior Floresta Tropical Úmida do Mundo. Da majestosa Manaus dos Barões da borracha, passando pela festeira Parintins, subindo o rio Tapajós ao encontro de Fordlândia- a cidade americana construída em meio à selva até a Belém dos índios Tupinambás que observaram a chegada dos conquistadores na Baía. Eles precisarão se adaptar e encarar realidades diferentes. Irão conhecer muito dos pontos turísticos e também da história da região norte do Brasil. É um livro que traz muita informação histórica e de uma maneira sutil vai-se apresentando os personagens e a trama.

No início estava achando a leitura um pouco parada e cansativa, para mim o pessoal só tomava suco, mas logo toda a informação cultural me encantou e me vi ansiando as aulas do personagem Daniel.
A trama inicia com a chegada dos viajantes em Manaus, somos apresentados a quatro moças Ana Carolina, Joana, Camila e Rafaela, e Daniel que é tio de Joana. Já de cara conhecemos a origem do nome da cidade e outras histórias importantes a respeito dos índios que habitam aquele território, as batalhas disputadas, e a chegada dos colonizadores.
Ao mesmo tempo que somos agraciados com essa aula de história também vamos conhecendo os personagens, Camila mostra suas principais características na primeira página, uma garota que ama dormir e brinca o tempo todo tirando de todos boas risadas; Rafaela é mais tímida fica apenas observando e tirando suas dúvidas com um pouco mais de receio; Ana Carolina – admito a personagem que nutria expectativas com suas falas – essa sempre muito inteligente deixava claro os seus pontos de vista com muita sabedoria; e Joana foi a que menos notei, mas vi que também era uma boa ouvinte e uma boa conhecedora de histórias graças ao tio.
Fiz uma viagem literalmente pela Amazônia e a cada nova cidade que eles iam eu ficava super curiosa, minha vontade era estar junto do grupo para poder ver o que era narrado como os museus, os salões, os chãos de borracha para abafar o som e muitas outras coisas. Fordlândia me deixou extasiada, nunca havia ouvido falar da cidade e é surpreendente saber que tem uma com estrutura de cidade americana no Brasil, ao mesmo tempo que é chocante ver que o tal do Ford só pensava em si ao transformar o nosso país que já tinha os seus habitantes e que já possuíam a sua própria cultura.
Todo o livro é uma aula, e eu que gosto de história fiquei muito contente em conhecer um pouco mais da Amazônia, já que assim como as viajantes da história, também imaginava um lugar onde só encontraria mato. A trama criada por Marli é singela, não encontrei erros e a cada frase lida sentia que as palavras eram direcionadas para mim, afinal não é apenas uma aula de história, mas uma aula de humanidade. Destaca-se o valor da amizade, o quão é importante pensar no próximo e aprender com o mesmo, e o principal, não deixar os sonhos morrerem para não sermos dominados pelo medo, até me lembrei do vilão do filme “A Origem dos Guardiões”, o Sombra.
Além de tudo isso, fiquei fascinada com as lendas, eu amo lendas, algumas conhecidas outras que fiquei morrendo de vontade de saber mais como a lenda do amuleto Muiraquitã, achei tão interessante que até queria um para mim.
Também há um romance que desabrocha com essa viagem entre Rafaela e Daniel, e eu que sempre gostei de romances não me vi tão apegada ao casal, ficava mais interessada nas curiosidades dos lugares por onde passavam e nas falas de Ana Carolina que me renderam boas anotações, a sábia me fez pensar bastante e assim como eles foram transformados na viagem, me vi transformada após terminar o livro.
O livro é pequeno e apesar das folhas serem brancas não tive problemas para ler a noite, as letras são do tamanho ideal e a diagramação simples. Recomendo para os viajantes; para quem ama um romance; e para os amantes de história, garanto que é um prato cheio.

10 comentários:

  1. Devo confessar que li o começo como você, e achei cansativo, então abandonei. Mas já que você me mostrou que ele não fica assim até o fim, vou termina-lo de ler depois e te conto o que achei, ok? . Até mais.
    http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não consegui me empolga com o livro pela resenha, mas eu tive que rir na parte: só sabem toma suco.

    ResponderExcluir
  3. Só fazia tomar suco hahhahaa'
    Nossa, toda a riqueza de detalhes e as informações passadas nesse livro me fizeram ficar LOUCA por ele *-* li tão rápido, e quando acabei queria mais *-*

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    "Só fazia tomar suco", hilária sua observação.
    Já li também e gostei muito. A Marli é uma escritora que me surpreendeu e a maneira como ela inseriu as lendas na história também me fascinou.
    Desde o momento que acabei a leitura (ano passado), anseio pelo segundo livro. Espero que não demore muito para ser publicado.
    Gostei de saber sua opinião. (:
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Adorei sua resenha e tudo que citou me deixou curiosa, principalmente o fato de conhecer lugares, lendas e costumes de uma região que sei muito pouco. Também adoro história e acho fascinante tanta diversidade cultural em nosso país.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. hisGostei muito da ideia de ser transportada para a Amazônia junto com os personagens e conhecer mais do lugar.
    Gostei da resenha e acho q vou gostar muito do livro!!!
    Talvez esse começo lento canse um pouco, mas acho q a história vale a pena.

    ResponderExcluir
  7. Raquel, que menina malvada! Humf, eles tomam um pouco de suco.. "Que te pasa, chica?"( Estou no ritmo do novo livro. hehehehe)
    Princesa, que bom que você gostou da parte principal: a histórica e cultural!
    Fico imensamente feliz que você gostou de participar dessa viagem com esse grupo brasileiro tão fofo.
    Tem uma parte na sua resenha que me tocou muito: "me vi transformada após terminar o livro"- Que bonito isso!
    Li todos os comentários e que alegria vem no coração ao ler que o Leandro está aguardando, ele já havia escrito lá no blog. Está dando muuuito trabalho o segundo livro, mas é um trabalho necessário e muito bom. Quero que fique melhor do que Amazônia.
    E a Kéziah que leu rapidinho..que linda!!
    Muito obrigada pelo imenso respeito ao meu trabalho e por todo o carinho e paciência que vocês tem comigo.
    Mil beijinhos de agradecimento.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela resenha Raquel! Já li Amazônia e curti bastante. Um livro muito interessante e que possui um alto teor cultural. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  9. Ai amiga, esse livro tem me deixado cada vez mais curiosa, pq tenho lido só resenhas positivas dele.
    Eu particularmente adoro história, sempre foi uma das minhas aulas preferidas. Gosto de conhecer as coisas, e saber que o livro nos traz essa questão histórica sobre a Amazônia já é um ponto enorme pra me deixar curiosa e querer lê-lo.
    Fora a questão dos valores que são trabalhados no livro. Acho incrível histórias que além de boas, trazem esse momento mais reflexivo e nos deixam algo para pensar. Afinal, livro não tem só que divertir, tem que nos marcar de alguma maneira né?
    Adorei Raquel, gostei muito da sua resenha e espero ter a oportunidade de ler o livro da Marli em breve.
    A única coisa que não curto em Amazônia é a capa dele, acho que um texto tão bacana desses, merecia uma capa mais colorida, com um verde mais vivo, trazendo as belezas desse Estado tão rico. Essa capa é muito fraca pro livro, mas quem sabe numa próxima edição ela mude neh?
    Bjokas flor.

    www.lerepensar.com

    ResponderExcluir
  10. OOOOOOI! Demorei mas cheguei...
    O legal da leitura é isso: tirar proveito de tudo aquilo para nossa própria vida.
    Muito boa sua resenha.
    Irei ler Amazônia em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !