Vou Lhe Mostrar o Medo, por Nikolaj Frobenius

13 agosto 2013

Vou Lhe Mostrar o Medo, por Nikolaj Frobenius
Geração, 296 páginas (parceria) 
Edgar Allan Poe (1809-1849), o célebre poeta e autor de histórias de terror, bem como criador do gênero policial na literatura, é o protagonista deste romance de suspense psicológico, que discute os limites da criação literária e a responsabilidade moral da arte. Nele vemos o jovem escritor norte-americano afligido pela pobreza, angustiado com a enfermidade da sua frágil esposa e assombrado por um maníaco que comete assassinatos inspirados nos seus escritos, além de sabotado em sua carreira pelo crítico literário Griswold, que lhe dedica um misto de admiração e ódio. Publicado em toda a Europa, traduzido em dez idiomas e plagiado por Hollywood, este romance premiado marca a estreia, no Brasil, de Nikolaj Frobenius, um dos grandes expoentes da moderna literatura norueguesa.
Eu não sabia muito o que esperar desse livro, exatamente porque eu não o estava esperando. Como já tinha assistido “O Corvo” pensei que minha leitura seria lenta, porém o livro e o filme divergem bastante.
A trama inicia-se com Griswold, o crítico, falando com sua filha sobre os assassinatos que eram similares as mortes dos contos de Poe, para depois nos apresentar tanto o autor quanto o crítico. Quando Edgar Allan Poe tinha apenas três anos de idade ele viu sua mãe pela última vez, ele e seus dois irmãos foram adotados por famílias diferentes. Edgar viveu com a família Allan, John, o seu pai adotivo, costumava lhe dar sermões, Edgar se chateava por ver que eles não viam o seu talento, mas alguém viu; Samuel Reynoads, um garoto franzino filho de uma mucama, um mestiço ignorado por todos, menos por Poe; Samuel aprendeu a ler e escrever com o “patrão” e assim começou a ler e admirar todos os poemas de Poe. Anos mais tarde uma discussão os separou, e Poe imaginou que nunca mais fosse revê-lo. Casado com a prima Virginia Poe, que ele chamava de Sissy, ele vivia uma vida sem mordomias e bastante simples. O pouco dinheiro que conseguia com os poemas publicados nos jornais era suficiente para os pequenos gastos e para os remédios de Sissy, que tinha uma doença no pulmão.
Edgar sabe que Griswold tem uma boa influência com os leitores e outros escritores e o procura, porém Rufus Griswold é um pastor e tacha os poemas de Poe como “uma imundice que lhe atrai”, é um sentimento estranho, ao mesmo tempo que os poemas de Poe lhe são repugnantes eles também lhe instigam. Eles não são grandes amigos, pelo contrário. E o que Rufus mais quer é que Poe seja esquecido por todos.
Enquanto isso há alguém imitando os casos das histórias de Poe e fazendo isso na vida real, assassinatos brutais sem significado e sem chance de ser solucionado. O detetive Evan Olsen está atrás desse homem, mas como os crimes são muito planejados meticulosamente eles não chegam a nenhuma conclusão.
Vemos o fascínio de Samuel por Poe e até onde vai a loucura do ser humano. O amor de Griswold por Poe disfarçado no seu rancor e a sua vontade de ver Poe na pior. Mas Edgar também se mostra ser um homem peculiar, um homem excêntrico que não ama, pouco sorri e tem sede de ser aplaudido. Fiquei tão encantada com a Sissy que a falta de amor de Edgar para com ela me deixava triste, e ela era tão nova, casou-se com ele com apenas doze anos de idade e passou a maior parte da vida doente.
Há vários trechos das obras de Poe no livro, o que me deixou bastante intrigada para conhecer saber mais sobre o autor. A diagramação está impecável, das manchetes de jornal as partes que separavam a vida de Poe.
O livro me surpreendeu, porém é muito complicado falar sobre a obra. Não é um livro que agradaria a todos. Aqui temos uma biografia de Poe, sua infância, suas perdas, sua sede de vinho do porto, seu talento, seu fascínio pela morte, suas críticas a outros poetas como Longfellow, entre outras coisas. E do outro lado vemos a vida pouco brilhante de Griswold que passa a maior parte do livro buscando ser reconhecido principalmente elogiado por Poe.
Se você assistiu ao filme como eu, claramente notará as diferenças. Não vemos Sissy, e Griswold é apenas um crítico alvo do assassino. O detetive Evan Olsen, é Emmet Fields e tem um papel muito maior na adaptação. Os crimes também ganham um espaço maior, enquanto no livro temos apenas três ou quatro. Samuel também não é o mesmo, ele trabalha ao lado de Poe o filme inteiro é conhecido como Ivan. E no filme Poe tem uma paixão por Emily, uma pessoa que nem sequer aparece na obra, ou melhor no livro Edgar apaixona-se por várias mulheres, mas não da forma que é retratado no filme com esta moça. O título do filme “O Corvo” deve-se a uma de suas obras de mesmo, uma obra que fez com que ele voltasse para os holofotes entre outros poetas.
Se houve plágio ou não, não sei dizer. Mas posso afirmar que o filme é bastante vago, e tem um suspense muito desnecessário. Sem contar que praticamente afirmam no filme que Poe morreu envenenado, porém sua morte é desconhecida. Tive que rever o filme para ver essas diferenças, e não ouve um minuto que eu não criticasse o plágio mal feito.
Leiam a obra de Nikolaj e assistam o filme, tirem as conclusões de vocês.

11 comentários:

  1. Adoro livros de terror e suspense e quero muito ler alguma coisa do Poe. Esse livro me chamou atenção por isso! Fiquei bem curiosa para ler. Como não assisti ao filme O Corvo, não tenho como comparar livro e filme e fica melhor na hora da leitura.

    Um beijo, Karine Braschi.
    Geek de Batom. (@geekdebatom)

    ResponderExcluir
  2. Esse livro já me cansou só pela história. Não gostei mesmo... A história me parece forçada e cansativa. =/
    Boa resenha!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi Raquel!

    Esse não é um estilo que curta muito. Quando vi o título do livro, fiquei super curiosa e contente por encontrar a resenha aqui, mas fico triste por não me interessar mais. Uma pena pra mim.

    Beijos,

    Marcelle
    www.bestherapy.net

    ResponderExcluir
  4. Oi Raquel!

    Também assisti ao filme e pela sua resenha já dá para notar as diferenças. Acho que não é um livro que leria no momento, mas achei bem interessante todos os pontos da história.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu ainda nem vi o filme e não sei se pretendo ver, assim como livro. Não é que não faça meu estilo, mas sabe quando aquele livro não bate contigo? :(

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  6. Gostei de saber que o filme e o livro divergem, achei o filme muito parado

    Beijo

    Pah -
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  7. Eu gostei do enredo, embora tenha visto o filme e tenha achado bem parado, mas vai que como você disse o livro tenha inúmeras partes totalmente o inverso do filme?. Enfim, eu leria. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Nossa, isso parece interessante... Não sabia que o filme era baseado (ou plagiado) a partir de um livro. Mas, legal, vou procurar mais a respeito :)
    Eu, sendo um grande fã do Poe (acho que o nome do meu blog já deixa bem claro xD), fiquei com algumas pulgas atrás da orelha com "O Corvo"; tanto a morte dele, quanto o fato de parecer muito mais "heroico" do que o Poe realmente aparentava ser...

    Mas enfim, bela dica e boa resenha ;)

    Carlos,

    http://obigodedopoe.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Amiga eu tenho esse filme, como sou fissurada em suspense a li muita coisa do Poe na facu, corri pra comprar assim que saiu. Mas levei um susto esses dias quando li a primeira resenha desse livro e soube que o filme era um plágio mal feito do livro de Nikolaj.
    Claro que quando vi o filme a primeira vez, senti que a trama foi mal feita, até pq tinha estudando muitas coisas sobre Poe e principalmente sua morte, o que no filme eles empurram a versão deles. Mas como vc mesma disse, quem conhece e sabe que até hoje não sabemos as causas da morte dele, não tem como engolir aquilo neh?
    Fiquei bem interessada no livro e com certeza vou querer ler para ficar mais satisfeita, já que o filme deixou muito a desejar.
    Bjokas querida

    www.lerepensar.com

    ResponderExcluir
  10. Embora eu não me lembre bem do filme, me ficou a vontade de ler o livro e depois assistir o filme.

    ResponderExcluir
  11. tem uma copia da sua resenha aqui
    http://www.estantedasamoras.com/2013/08/resenha-vou-lhe-mostrar-o-medo-nikolaj.html

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !