[Receita] Para um amor desmedido

04 dezembro 2013


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
(Vinícius de Moraes)

Hoje vou começar uma nova coluna que vai se chamar Receita, espero que gostem! O primeiro livro que escolhi para a coluna foi o Beijada por um anjo, livro que não cheguei a resenhar no blog, mas que é um dos meus favoritos.
Ivy Lyons havia se mudado a pouco para a nova escola. Diferente da maioria das meninas, ela não estava interessada em nenhum atleta sem cérebro. Mas um atleta estava interessado nela. Tristan Carruthers faz de tudo para atrair a atenção de Ivy. E suas amigas Suzanne e Beth querem que ambos fiquem juntos, ele não para de fitá-la, mas ela nem ao menos vê é como se Tristan nem existisse.

"Que tipo de pessoa ele tinha e tornado. Porque ele, Tristan Carruthers, um cara cujo rosto estava pendurado nos armários de centenas de garotas (tudo bem, talvez estivesse exagerando um pouco) precisava impressioná-la. Uma garota que não tinha interesse em ter a foto dele, nem a de mais ninguém, colada em seu armário, pelo que ele podia perceber. Ela passava pelos mesmos corredores que ele, mas era como se vivesse em um mundo totalmente diferente.
Tinha prestado atenção nela no primeiro dia em que ela chegou a Stonehill. Não era só a sua beleza exótica, os seus louros cabelos encaracolados, e os seus olhos verdes como mar que faziam com que ele não conseguisse parar de olhar, desejando tocá-la. Era a maneira como ela parecia desprendida das coisas que interessavam às demais pessoas – a maneira como prestava atenção na pessoa com quem estava conversando, sem ficar olhando para o lado para ver se tinha mais alguém por ali; a maneira como se vestia diferente de todo mundo; a maneira como se entregava a uma canção. Um dia, ficou parado na porta da sala de música, maravilhado. É claro que ela nem percebeu sua presença."

Mas o pequeno Philip consegue fazer com que os dois se encontrem, na festa de casamento de sua mãe o irmão de Ivy não está nada feliz e ele encontra um lugar na cozinha para se esconder. Tristan oferece comida e age como uma criança para fazer o triste Philip sorrir. A cena que Ivy encontra não chega nem perto do que ela imaginava.

"Ivy fica paralisada. Surpreendeu-se ao ver Tristan com aipos enfiados nas orelhas, salada espalhada pelo cabelo, e uma coisa preta estranha em seus dentes, e – por mais difícil que fosse de acreditar que alguém com mais de oito anos pudesse fazer uma coisa dessas – rabinhos de camarão enfiados nas narinas."

Ele poderia escolher qualquer outra garota, não precisava se humilhar e buscar formas de chamar a atenção de Ivy, mas se fizesse isso essa história não teria meio, nem fim. E Tristan é um rapaz insistente. Por mais que tentasse a garota demora para realmente notá-lo da mesma forma que é notada. Até mesmo a gata dela ele foi capaz de adotar. Numa aula de natação Ivy revive o seu medo das águas e o seu salvador é nada mais nada mesmo que Tristan, mas ainda não chegou o momento do romance, a garota é dura como rocha. Ele sugere que ela tenha algumas aulas para superar o medo que tem desde a infância, o medo que a fez começar a acreditar em anjos. E em uma das aulas finalmente...

"- É isso que você quer, que eu diga que você é um herói?
Ele sorriu. – Acho que não. Achei que ia conseguir o que queria com isso. Mas não consegui.
- E o que você quer?
Valia a pena contar para ela agora?
- Vestir roupas secas. Tenho um agasalho no meu armário.
- Tudo bem – soltou a perna dele, mas, antes que pudesse se mexer, pegou sua mão. Segurou-a com as duas mãos por um tempo e, depois, beijou suavemente as pontas dos dedos dele.
Olhou para ele, deu de ombros, e deixou que soltasse a mão.
Mas ele não soltou e entrelaçou seus dedos como os dela. Depois de um momento de hesitação, levou a mão dela ao seu rosto. Será que ela podia sentir a forma como seu coração pulsava mais rápido diante de seu toque? Ajoelhou-se. Pegou a outra mão dela e beijou as pontas dos dedos, depois levou a outra mão a outra face.
Ela ergueu o rosto.
- Ivy – o som de seu nome na boca dele parecia um beijo. – Ivy.
E o beijo se tornou realidade."

Após o beijo a paixão de Ivy não precisava mais ficar escondida, o amor deles desabrochou e não foi difícil para Philip se adaptar ao namorado “bacana” da irmã. É tão engraçado que Philip muda completamente após a chegada de Tristan, se torna uma criança mais alegre e extrovertida. Mas meu foco não é nele.
Queria poder dizer que Ivy e Tristan vivem uma linda história e viverão felizes para sempre no final, mas esta é uma conclusão que não se aplica a este livro. Desde o início temos a confirmação de um acidente, este acidente se repete ainda umas duas vezes. E o que me tocou foi ler essas palavras duas vezes.

"- Ivy, eu te amo – disse Tristan, ficando sério subitamente.
Ela olhou para ele e depois mordeu os lábios.
- Isso não é um jogo. Eu amo você, Ivy Lyons, e um dia você vai acreditar em mim."

Mas o amor não morre, o amor sincero excede os limites conhecidos pelo homem. Quem pode comprovar que não? Quem pode julgar o amor? Não há receita certa para esse sentimento, há várias formas de amar, e não há medidas certas. O amor não morre, sua chama permanece acesa, assim como o amor de Tristan e Ivy, ele morre, mas o sentimento continua vivo.

(Nas imagens: Anna Sophia Robb e Xavier Samuel)

5 comentários:

  1. Ai, Raquel, eu amo tanto esse livro! Na verdade, a série. É sem dúvidas minha saga de anjos preferida! Só que parei no terceiro, pois não gostei da ideia da autora de voltar a escrever a história da Ivy e do Tristan com um espaço tão grande entre as publicações. Mas, enfim, ameeei seu texto. E você destacou meu quote preferida da história! ;-)
    Sucesso para essa coluna nova.
    Beijão, querida. Fica com Deus!
    Jaqueline de Marco
    http://jaquelinedemarco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Raquel!

    Já tinha ouvido falar desse livro, mas nunca parei para conferir do que ele falava. Só sabia que era a respeito de anjos. Parece mesmo uma linda história de amor. Esse soneto do Vinícius iniciando o post foi perfeito. Adorei a coluna.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto Raquel. Amo a série Beijada por Um Anjo e me emociono demais com cada livro lido. Acho a história de Ivy e Tristan tão doce e fofa! Preciso ler o sexto e último volume da série assim que possível. Ah, amei o soneto! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Adorei a coluna. Ainda não li essa serie mas tenho ela aqui. Você soltou um spoiler ali no final, ainda bem que eu já sabia disso hehehehehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Gostei tanto da nova coluna Raquel, e a escolha do livro a deixou tão poética. Adorei esse livro , comprei a coleção toda e só não devorei todos os volumes pq tenho que ler os livros de parceria. Você sabe como fica tensa a situação. Mas o amor dos dois é tão lindo e intenso. Perfeito.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar e volte sempre !